sábado, 24 de setembro de 2011

Bjork: Moon


written by björk and damian taylor
directed, produced and art directed by björk, inez and vinoodh, m/m paris and james merry

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A Mancha Humana

"O que levara à existência de um homem como Coleman? O que é que ele era? A ideia que tinha de si mesmo valia menos ou mais do que a ideia de qualquer outra pessoa a seu respeito? É, sequer, possível, saber tais coisas? Mas o conceito de vida como algo cujo objectivo é oculto, de costume como algo que pode não permitir o pensamento, de sociedade como consagrada a uma imagem de si mesma que pode ser gravemente imperfeita, do indivíduo como real independente e para além das determinantes sociais que o definem e podem, na verdade, ser o que a ele parece mais irreal - resumindo, todas as perplexidades que estimulam a imaginação humana pareciam um tanto ou quanto extrínsecas à sua inabalável fidelidade a um cânone de regras tradicionais." 

Philip Roth

terça-feira, 6 de setembro de 2011

The character has no longer a home.

Tiago C. Bôto
"Porque nós não sabemos, pois não? Toda a gente sabe. O que faz as coisas acontecerem da maneira que acontecem? O que está subjacente à anarquia da sequência doa acontecimentos, às incertezas, às contrariedades, à desunião, às irregularidades chocantes que definem os assuntos humanos? Ninguém sabe, professora Roux. "Toda a gente sabe" é a invocação do lugar-comum e o início da banalização da experiência, e o que se torna tão insuportável é a solenidade e a noção de autoridade que as pessoas sentem quando exprimem o lugar-comum. O que nós sabemos é que, de um modo que não tem nada de lugar-comum, ninguém sabe coisa nenhuma.  Não podemos saber nada. mesmo as coisas que sabemos, não as sabemos. Intenção? Motivo? Consequência? Significado? É espantosa a quantidade de coisas que não sabemos. E o mais espantoso ainda é o que passa por saber."

Philip Roth - A Mancha Humana