segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

"Si je meurs laissez le balcon ouvert"
















Como preencher o espaço vazio da morte? Uma homenagem. Corpos que pairam. Corpos perfeitos. Um corpo que se chateia com os outros quando não são perfeitos. Um corpo que não é perfeito. Um corpo que homenageia. A lentidão. A precisão. Desfragmentação. A sensação da demora do tempo. A densidade da atmosfera. A criação. A frustração na criação. Pertencer ao mundo. Deixá-lo. O momento de entrega. Ter ou não o que é preciso. A dilatação do movimento que não foi virtuoso. Os que mudam os que deixam marcas, os que deixam janelas abertas no espaço vazio da sua morte. Os que marcam para sempre. O espaço. O tempo para a mudança. A mudança na morte.


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Be being...

Sometimes it seems that everything is floating in the air. Like if a bomb has exploded but nothing happened. Everything continues the same. But in the other hand we are not the same any more. Or are we? Can we look in the mirror and recognize ourselves? Can we even consider that the next step, the next day has infinite options to be different? What is that, to be different? Is to take another road? Is to let the bomb explode? Is to accept and move on? What makes us change? Are we changeable? Or are we just an accumulation of different accidents? What is the true? Is something universal? Are we all the same made by the same line? Or is just the way someone looks at something. Maybe is just the way someone wants to believe in something, to make some sense of the accumulation of the accidents. In the end we just are, and by being we just are... And are we looking at the same point?

T.B

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Sobre el amor al orden

Kalle - Podría expresarlo así: donde no hay nada en el lugar adecuado, hay desorden; donde en el lugar adecuado no hay nada, hay orden,

Ziffel - Hoy en día suele haber orden donde no hay nada. Es un síntoma carencial.

Bertold Brecht. Diálogos de exilados.