sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

O conhecimento divorciado da acção conduz à esterilidade

"Falar é apenas um pretexto para outras formas de comunicação mais subtis. Quando estas são inoperantes, a fala morre. Se duas pessoas estão empenhadas em comunicar uma com a outra, não tem importância absolutamente nenhuma que a conversa se torne desconcertante. As pessoas que insistem na clareza e na lógica raramente conseguem fazer-se compreender. Estão sempre à procura de um «transmissor» mais perfeito, iludidas pela suposição de que a mente é o único instrumento para a permuta de pensamentos. Quando uma pessoa começa realmente a falar, dá-se. Profere as palavras despreocupadamente, em vez de as contar como se fossem moedas, e não se importa com erros gramaticais ou factuais, contradições, mentiras, etc. Fala. Se falamos com alguém que sabe ouvir, esse alguém compreende-nos perfeitamente, mesmo que as palavras não façam sentido. Quando se consegue este género de conversa, há um casamento, quer estejamos a falar com um homem, quer com uma mulher. Os homens que falam com outros homens têm tanta necessidade deste género de casamento como as mulheres que falam com outras mulheres. Os casais casados raramente saboreiam tal tipo de conversa, por razões evidentes. 
Quanto a mim, conversar, conversar verdadeiramente, é uma das mais expressivas manifestações da fome do homem por um casamento ilimitado. As pessoas sensitivas, as pessoas que sentem, querem unir-se de um modo mais profundo, mais subtil e mais durável do que é permitido pelos costumes e pelas convenções. Quero dizer, de modo que ultrapassa os sonhos dos utopistas sociais e políticos. A fraternidade humana, se alguma vez se realizasse, seria apenas o estádio de jardim infantil do drama das relações humanas. Quando o homem começar a permitir-se expressão completa, quando puder exprimir-se sem medo do ridículo, do ostracismo ou da perseguição, a primeira coisa que fará será derramar o seu amor. Ainda estamos no primeiro capítulo da história do amor humano. E mesmo aí, mesmo no campo do puramente pessoal, a narrativa é muito inferior. Temos mais de meia dúzia de heróis e heroínas do amor para apresentar como exemplos? Duvido que tenhamos tantos grandes amorosos como temos santos ilustres. Temos abundância de sábios, e reis, e imperadores, e estadistas, e chefes militares, e artistas em profusão, e inventores, descobridores e exploradores... Mas onde estão os grandes amorosos? Depois de pensarmos um bocado, voltamos sempre a Abelardo e Heloísa, ou a António e Cleópatra, ou à história do Taj-Mahal. Mas uma grande parte disso é fictício, aumentado e glorificado pelos indigentes do amor cujas preces só encontram resposta no mito e na lenda. Tristão e Isolda - que forte encanto esta lenda ainda exerce sobre o mundo moderno! Sobressai, na paisagem romântica, como o pico coroado de neve do Fuji-Iama.
Havia uma observação que repetia constantemente a mim mesmo enquanto ouvia as intermináveis discussões entre Arthur Raymond e Kronski: relacionava-se com o facto de que o conhecimento divorciado da acção conduz à esterilidade."

Henry Miller - Sexus

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

TOYBOAT de Tiago Bôto e Wagner Borges





Estreia hoje!
«TOYBOAT» de Tiago Bôto e Wagner Borges
inserido no QUATRO QUARTOS | Mostra de teatro de curta duração
de 19 a 29 de Novembro
quinta a sábado às 21h30 | domingos às 16h30
ESPAÇO ESCOLA DE MULHERES | Clube Estefânia | Lisboa
Fotografia de Ruy Malheiro

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

TOYBOAT Teaser



«TOYBOAT» de Tiago Bôto e Wagner Borges
inserido no QUATRO QUARTOS | Mostra de teatro de curta duração
de 19 a 29 de Novembro
quinta a sábado às 21h30 | domingos às 16h30
ESPAÇO ESCOLA DE MULHERES | Clube Estefânia | Lisboa

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Toyboat | Quatro Quartos






























de 19 a 29 de Novembro.
«TOYBOAT» de Tiago Bôto e  Wagner Borges
inserido no «Quatro Quartos» | concurso de escrita para teatro de curta duração | ESCOLA DE MULHERES - Clube Estefânia

sábado, 17 de outubro de 2015

Pagan Poetry

"Justify My Love

I want to kiss you in Paris
I want to hold your hand in Rome
I want to run naked in a rainstorm
Make love in a train cross-country
You put this in me
So now what, so now what?

Wanting, needing, waiting
For you to justify my love
Hoping, praying
For you to justify my love

I want to know you
Not like that
I don't want to be your mother
I don't want to be your sister either
I just want to be your lover
I want to be your baby
Kiss me, that's right, kiss me

Yearning, burning
For you to justify my love

What are you gonna do?
What are you gonna do?
Talk to me - tell me your dreams
Am I in them?
Tell me your fears
Are you scared?
Tell me your stories
I'm not afraid of who you are
We can fly!

Poor is the man
Whose pleasures depend
On the permission of another
Love me, that's right, love me
I want to be your baby


I'm open and ready
For you to justify my love
To justify my love
Wanting, to justify
Waiting, to justify my love
Praying, to justify
To justify my love
I'm open, to justify my love"
 
By Madonna

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Bill Viola - Reflecting Pool

Dance or Die Lyric by Janelle Monáe

"Dance Or Die"
"Cyborg, android, d-boy, decoy, water, wisdom, tightrope, vision, insight, stronghold, heartless, ice cold, mystery, mastery, solar, battery


Some will pull the gun because they want to be stars
Snatching up your life into the blink of an eye
And if you see your cloning on a street walking by
Keep a running for your life cause only one will survive
War is in the street and it's an eye for an eye
Run on for your life or you can dance you can die
She's praying in the sand like she's the last samurai
It's a stick up stick up and a pick up pick up
Telling lies and telling lies will put your face on fire
Run and tell your friends to never dream, never win
Ghettos keep a crying out to streets full of zombies
Kids are killing kids and then the kids join the army
Rising and a waking, yes sir here comes the sun
March into the war and with the kick of the drum
The wiser simians have got the bombs and the guns
So you might as well keep dancing if you're not gonna run

A long long way to find the one
We'll keep on dancing till she comes
These dreams are forever
Oh these dreams are forever
And if you wanna wake the sun
Just keep on marching to the drums
These dreams are forever
Oh these dreams are forever

Now I'm not saying it's better to bailar (Spanish for dance)
You can pull the trigger or you can build you an ark
My words are rather kind you keep them held in contempt
Looking for a nine and then a droid you can tempt
Zombie, zombie, zombie, where do dreams come from?
A little bird is chirping and she's singing a song
She's shaking em and waking em and giving em mas
As the clock tick tocks and the bodies drop
I'm gonna lay myself so far way down right in your chops
Modern day example of the wolf vs flock
Freedom necessary and it's by any means
Frozen they were stolen all the kings and queens
Sudanese and Congolese who put the roll in the rock
From here to Sudan, Metropolis to Iraq
It's a minute to the dawn and yet the sun ain't back
It's still a war in all the stress and yes freaks will dance or die

A long long way to find the one
We'll keep on dancing till she comes
These dreams are forever
Oh these dreams are forever
And if you wanna wake the sun
Just keep on marching to the drums
These dreams are forever
Oh these dreams are forever

Angel, blossom, gunshot, dodging, dream, bright, beat, light, breathe, live, help, give, focus, trance, wake up, dance!

I'm praying for the man sitting without much time
May he understand the clock will never rewind
Wisen him and sharpen him and give him a motto
hate no more, said he must hate no more
You see the daylight comes into the kingdom
But the kingdom's full of ignorant men
Just keep rebelling away, you gotta dream it away
Because the weatherman on TV ain't creating the weather
This man wants to see another jubilation
And that man wants us in emancipation
And then there is the man who wants a stronger nation
You see we really got to and i think that we ought to
Protect the mind from degradation
Sow in the seeds of education
They run from us, are we that dangerous?
There's a war in all the streets and yes the freaks must dance or die!"

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

The Diary of Anais Nin, Vol. 4: 1944-1947

"I like to live always at the beginnings of life, not at their end. We all lose some of our faith under the oppression of mad leaders, insane history, pathologic cruelties of daily life. I am by nature always beginning and believing and so I find your company more fruitful than that of, say, Edmund Wilson, who asserts his opinions, beliefs, and knowledge as the ultimate verity. Older people fall into rigid patterns. Curiosity, risk, exploration are forgotten by them. You have not yet discovered that you have a lot to give, and that the more you give the more riches you will find in yourself. It amazed me that you felt that each time you write a story you gave away one of your dreams and you felt the poorer for it. But then you have not thought that this dream is planted in others, others begin to live it too, it is shared, it is the beginning of friendship and love.

[…]

You must not fear, hold back, count or be a miser with your thoughts and feelings. It is also true that creation comes from an overflow, so you have to learn to intake, to imbibe, to nourish yourself and not be afraid of fullness. The fullness is like a tidal wave which then carries you, sweeps you into experience and into writing. Permit yourself to flow and overflow, allow for the rise in temperature, all the expansions and intensifications. Something is always born of excess: great art was born of great terrors, great loneliness, great inhibitions, instabilities, and it always balances them. If it seems to you that I move in a world of certitudes, you, par contre, must benefit from the great privilege of youth, which is that you move in a world of mysteries. But both must be ruled by faith."

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Olhando o sofrimento dos outros | Susan Sontag

"Nenhum «nós» deveria ser considerado como garantido quando se trata de olhar para o sofrimento dos outros."

Susan Sontag - Olhando o Sofrimento dos Outros

quinta-feira, 6 de agosto de 2015








































Existe uma equação masculina e feminina, tocante de vaidade em que a dor é imponderável.
O corpo duplo, o autêntico ou o seu reflexo.
Entretenimento de alternâncias, ficção na invenção de um cadáver duplo, seu e de uma imagem no espelho, na impossibilidade de.
A comunhão. Corpo.
Língua, corpo na voz, a língua do corpo.
O limite da coabitação na expressão universal de um dilacerante destino para a Humanidade.
Procura-se a lógica dos acontecimentos.
Onde começa a fantasia e acaba a realidade?
A perda da confiança.
Como eliminamos as palavras já pronunciadas na memória do corpo?
Elas resistirão, argumentando sobre a verdade.
Sobre a mentira. Sobre a dúvida. Sobre o amor.


FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA:
NÃO_CORPO, a partir de René Crevel
de Tiago Bôto e Wagner Borges

Interpretação | Mia Farr, Tiago Bôto e Wagner Borges
Participação em Vídeo | São José Correia
Design de Luz e Operação | Alexandre Costa
Apoios | Escola de Mulheres - Oficina de Teatro; Teatro Praga; Comuna -Teatro de Pesquisa; Junta de Freguesia da Penha de França; Escola «o Botãozinho»
Agradecimentos | Paula Cunha, Teresa Borges e Isabel Andrade

M/16 anos – Duração aprox.: 80 minutos
ESTREIA A 2 DE SETEMBRO DE 2015 | Fórum Municipal Luisa Todi - 22h Setúbal - inserido no Festival Internacional de Teatro de Setúbal | XVII FESTA DO TEATRO

Não_Corpo Trailer 2

Não_Corpo Trailer 1


quarta-feira, 6 de maio de 2015

Depois de, cair






































«Depois de, cair» a partir de Amos Oz
TEATRO DA GARAGEM | Taborda
MAIO: 17 - 21H30

Monstruosidade.
Afunilamento da identidade. Desbastamento. Contencioso.
Guerra. Sexo. Poder. Cultura. Beleza. Política. Dinheiro. Geografia. Religião. Moda. Obesidade. O jardim perdido.
Adão. Eva. O primeiro filho. Vai doer como o diabo.

Exaltando figuras sem nome, muitas vezes exteriores no seu próprio pensamento, encontramos a palavra, encontramos o silêncio, encontramos a devastação nos corpos enigmáticos, distorcidos, ansiosos na urgência catastrófica de se provar que existem.
Conjuga-se a visão real contra uma forma de transgressão da própria realidade fanática?
Hoje, o nosso corpo, como contentor, como cadáver emocional, respira por uma necessidade de valorização constante, e acima de tudo, uma actualização enquanto moldura.
Somos a nossa conferência diária. Aquela que não hesita em morder a maçã da cultura pop.

«Depois de, cair» é um flirt, um engate à realidade sócio-cultural, político-filosófica, prece religiosa, sendo o mecanismo económico (o novo Deus) a justificação do desejo da teatralização da subjetividade – e qual a fatalidade que dela surge.
Inspirado no texto Contra o Fanatismo, de Amos Oz, e na hipótese de se rever ainda nas palavras de José Saramago, Hannah Arendt, Angélica Liddell, Peter Handke – entre outros - desenvolve assim uma acção de questões para 3 intérpretes e um músico: figuras distintas, individual e colectivamente, dialogando com a tendência contemporânea do discurso (i)lógico da sociedade destruidora.
Podemos ainda considerar que este espectáculo é a resposta-origem da nossa pesquisa, que começou com «da Inutilidade». Pode ser uma sequela. Contudo, procuramos nesta linha atemporal, neste território de renascimento, o ponto de acção para estas não-vontades medirem o espaço e a força da sua sobrevivência, capacidade e dimensões, encerrando a morte, como prémio máximo do fanatismo.

Criação Tiago Bôto e Wagner Borges
Interpretação Inês Lago, Tiago Bôto e Wagner Borges
Paisagem Sonora Rodrigo Bôto