sábado, 12 de outubro de 2013

Como todos os outros

Alguma coisa terá que sair.
Alguma coisa que agora impede
os fluxos naturais do corpo.
Estou a prender.
A prender a brutalidade do pensamento.
Transformo-o em sentir
afogado no músculo,
na veia que aperta
e desacelera.
Flutuo,
como todos os outros,
como todos nós.

Tiago C. Bôto 2013

Nenhum comentário: