quarta-feira, 10 de julho de 2013

da expansão

Volto novamente
a querer alguma coisa.
Encontro-me
novamente
numa intimidade à qual pertencem os meus pensamentos
mais densos.

Porque aceito

que há coisas
que existem.

Existem numa
qualquer função
mesmo que inanimadas.

Observo

E observando
chamo presenças
que aleatoriamente 
se cruzam entre
mim
e o espectro abrangente
da minha observação.

Rapidamente e naturalmente
tudo se dílui,
perdendo os corpos
o magnetismo
que primeiro os juntou.

Aceita-se não saber
e aceita-se viver
a aceitar não saber.

Porque não se SABE nada.

Quais os factos mais concretos?

Eu não sei nada

E atinge-me a agonia de saber não poder
voltar ao grau zero.

O magnetismo da minha
observação abrangente
volta, sem ter essa intensão,
a reunir olhares que pareciam perdidos,
focados num outro campo de magnetismo
que já não era meu
que da minha presença
parecia que tinham anulado a necessidade.

E então respiro fundo
e cerro o olhar
na vida que me rodeia
e tudo se comprime
e se fecha
num saber mais ou menos ilusório
de que já sabia.

Aborto a expansão
e em seu lugar
instala-se
o nervoso miudinho movimento
do meu corpo
que inicia golfadas de pensamentos
e acelera
provocando-me uma sensação
atroz;
avassaladora
de instabilidade,
onde tudo inicia um acabar demasiado rápido.

E no acabar
vejo uma oportunidade
de me recompor
e de voltar a mim
iniciando-me numa nova 
expansão
que cruza
aleatoriamente
campos magnéticos
inesperados
e que pareciam já perdidos
mas que renascem
e me impulsionam
para um ritmo lento
que sugo até ao tutano
por ser tão longe de mim
tão desesperadamente longe de mim
que me obriga a SER quando
o alcanço

E SOU por momentos


Tiago C. Bôto

Nenhum comentário: