segunda-feira, 12 de dezembro de 2011


O canivete Hamletiano

"É pequeno, mas qualquer um poderia estripar uma truta com ele, descascar uma pêra, cortar azedas, abrir uma carta, remover uma pedra da unha fendida de uma cabra - se a cabra estiver calma. O canivete, contudo, tem uma particularidade.
Quem poderá determinar o momento, ao longo da execução da obra, em que o pai tomou a sua decisão? Foi quando imaginou o canivete pela primeira vez? Ou terá sido lá mais para o fim, depois de já ter feito o cabo, e antes de ajustar a lâmina, que está segura por uma ´nica cavilha? 
A particularidade do canivete está no facto de o gume de corte da lâmina ser grosso e boleado. É um canivete feito essencialmente para não cortar. Tem uma lâmina anulada. No início do século XX, no ano de 1906, quando as revoluções e as cargas militares sobre as multidões estavam na ordem do dia por toda a Europa Central e de Leste, um homem fez um canivete como este para que a sua querida Eva não pudesse cortar um dedo.
Quando o abriste, Juan, ocorreu-te estares perante um objecto hamletiano. Carrega em si um tangível desejo e, correndo em paralelo, o medo que esse desejo evoca. Um canivete de indecisão. Aberta ou fechada, a lâmina marca sempre um arrependimento.
Contudo ficar-se-á por aqui? este objecto hamletiano, que sobreviveu ao seu século contra todas as probabilidades , fala-nos ainda de outra coisa: da vontade que o ser amado tenha tudo, mesmo tudo!"

John Berger - Aqui nos encontramos 

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

O desejo é imparável

"O desejo é imparável. Um dia destes ouvi um de nós explicar porquê. Mas eu já sabia. Pensa num abismo insondável, pensa no nada. Num nada absoluto. Nele existe já um apelo - estás a acompanhar-me? O Nada é um Apelo para Algo. Não pode ser de outra forma. Contudo, o apelo é tudo o que existe; apenas um puro grito de apelo. Uma ânsia. E assim chegamos à eterna questão de fazer algo a partir do nada.
Ela deu uma passo na minha direcção. Sussurrava com o seu sorriso de fato-de-banho, e os seus olhos castanhos estavam fixos num qualquer ponto distante.
O que quer que seja feito pode não ser importante para mais nada, é apenas um desejo. Não possui nada, nada lhe é dado, não há lugar para ele! E contudo existe! Existe. Era sapateiro, creio eu, o homem que disse tudo isto."(..)

Jonh Berger - Aqui nos encontramos

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011


Taken from here: http://www.stuartsandfordsblog.com/  

An Open Letter From a Dancer Who Refused to Participate in Marina Abramovic’s MOCA Performance


I participated in an audition on November 7th for performance artist Marina Abramovic’s production for the annual gala of the Museum of Contemporary Art, Los Angeles. I auditioned because I wanted to participate in the project of an artist whose work I have followed with interest for many years and because it was affiliated with MOCA, an institution that I have a connection with as a Los Angeles-based artist. Out of approximately 800 applicants, I was one of two hundred selected to audition. Ultimately, I was offered the role of one of six nude females to re-enact Abramovic's signature work, "Nude with Skeleton" (2002), at the center of tables with seats priced at up to $100,000 each. For reasons I detail here — reasons that I strongly believe need to be made public — I turned it down.
I am writing to address three main points: One, to add my voice to the discourse around this event as an artist who was critical of the experience and decided to walk away, a voice which I feel has been absent thus far in the LA Times and New York Times coverage; two, to clarify my identity as the informant about the conditions being asked of artists and make clear why I chose, up till now, to be anonymous in regards to my email to Yvonne Rainer; and three, to prompt a shift of thinking of cultural workers to consider, when either accepting or rejecting work of any kind, the short- and long-term impact of our personal choices on the entire field. Each point is to support my overriding interest in organizing and forming a union that secures labor standards and fair wages for fine and performing artists in Los Angeles and beyond.
I refused to participate as a performer because what I anticipated would be a few hours of creative labor, a meal, and the chance to network with like-minded colleagues turned out to be an unfairly remunerated job. I was expected to lie naked and speechless on a slowly rotating table, starting from before guests arrived and lasting until after they left (a total of nearly four hours). I was expected to ignore (by staying in what Abramovic refers to as "performance mode") any potential physical or verbal harassment while performing. I was expected to commit to fifteen hours of rehearsal time, and sign a Non-Disclosure Agreement stating that if I spoke to anyone about what happened in the audition I was liable for being sued by Bounce Events, Marketing, Inc., the event’s producer, for a sum of $1 million dollars plus attorney fees.
I was to be paid $150. During the audition, there was no mention of safeguards, signs, or signals for performers in distress, and when I asked about what protection would be provided I was told it could not be guaranteed. What I experienced as an auditionee for this work was extremely problematic, exploitative, and potentially abusive.
I am a professional dancer and choreographer with 16 years of experience working in the United States, Canada, and Europe, and I hold a Master of Fine Arts degree in Dance from the University of California, Los Angeles. As a professional artist working towards earning a middle class living in Los Angeles, I am outraged that there are no official or even unofficial standard practice measures for working conditions, compensation, and benefits for artists and performers, or for relations between creator, performer, presenting venue and production company in regard to such highly respected and professionalized individuals and institutions such as Abramovic and MOCA. In Europe I produced over a dozen performance works involving casts up to 15 to 20 artists. When I hired dancers, I was obliged to follow a national union pay scale agreement based on each artist’s number of years of experience. In Canada, where I recently performed a work by another artist, I was paid $350 for one performance that lasted 15 minutes, not including rehearsal time that was supported by another fee for up to 35 hours, in accordance with the standards set by CARFAC (Canadian Artists Representation/Le Front Des Artistes Canadiens) established in 1968.
If my call for labor standards for artists seems out of bounds, think of the Screen Actors Guild (SAG, established 1933), the American Federation of Musicians (AFM, founded 1896), or the umbrella organization the Associated Actors and Artistes of America (the 4A’s, founded in 1919), which hold the film, theater and music industries to regulatory and best practice standards for commercial working artists and entertainers. If there is any group of cultural workers that deserves basic standards of labor, it is us performers working in museums, whose medium is our own bodies and deserve humane treatment and respect. Artists of all disciplines deserve fair and equal treatment and can organize if we care enough to put the effort into it. I would rather be the face of the outspoken artist then the silenced, slowly rotating head (or, worse, "centerpiece") at the table. I want a voice, loud and clear.
Abramovic’s call for artists was, as the LA Times quoted, for “strong, silent types.” I am certainly strong but I am not comfortable with silence in this situation. I refuse to be a silent artist regarding issues that affect my livelihood and the culture of my practice. There are issues too important to be silenced and I just happen to be the one to speak out, to break that silence. I spoke out in response to ethics, not artistic material or content, and I know that I am not the only one who feels the way I do.
I rejected the offer to work with Abramovic and MOCA — to participate in perpetuating unethical, exploitative and discriminatory labor practices — with my community in mind. It has moved me to work towards the establishment of ethical standards, labor rights and equal pay for artists, especially dancers, who tend to be some of the lowest paid artists.
The time has come for artists in Los Angeles and elsewhere to unite, organize, and work toward changing the degenerate discrepancies between the wealthy and powerful funders of art and the artists, mainly poor, who are at its service and are expected to provide so-called avant-garde, prescient content or "entertainment," as is increasingly the case — what is nonetheless merchandise in the service of money. We must do this not because of what happened at MOCA but in response to a greater need (painfully demonstrated by the events at MOCA) for equity and justice for cultural workers.
I am not judging my colleagues who accepted their roles in this work and I, too, am vulnerable to the cult of charisma surrounding celebrity artists. I am judging, rather, the current social, cultural, and economic conditions that have rendered the exploitation of cultural workers commonplace, natural, and even horrifically banal, whether it is perpetrated by entities such as MOCA and Abramovic or self-imposed by the artists themselves.
I want to suggest another mode of thinking: When we, as artists, accept or reject work, when we participate in the making of a work, even (or perhaps especially) when it is not our own, we contribute to the establishment of standards and precedents for our cohort and all who will come after us.
To conclude, I am grateful to Rainer for utilizing her position (without a request from me) of cultural authority and respect to make these issues public for the sake of launching a debate that has been overlooked for too long. Jeffrey Deitch, director of MOCA, was quoted in the LA Times as saying, in response to receiving my anonymous email and Rainer’s letter, “Art is about dialogue.” While I agree, Deitch’s idea of dialogue here is only a palliative. It obscures a situation of injustice in which both artist and institution have proven irresponsible in their unwillingness to recognize that art is not immune to ethical standards. Let’s have a new discourse that begins on this thought.

Sara Wookey is an artist, choreographer, and creative consultant based in Los Angeles. Her Web site is www.sarawookey.com.

From the website: http://www.artinfo.com/

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

sábado, 24 de setembro de 2011

Bjork: Moon


written by björk and damian taylor
directed, produced and art directed by björk, inez and vinoodh, m/m paris and james merry

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A Mancha Humana

"O que levara à existência de um homem como Coleman? O que é que ele era? A ideia que tinha de si mesmo valia menos ou mais do que a ideia de qualquer outra pessoa a seu respeito? É, sequer, possível, saber tais coisas? Mas o conceito de vida como algo cujo objectivo é oculto, de costume como algo que pode não permitir o pensamento, de sociedade como consagrada a uma imagem de si mesma que pode ser gravemente imperfeita, do indivíduo como real independente e para além das determinantes sociais que o definem e podem, na verdade, ser o que a ele parece mais irreal - resumindo, todas as perplexidades que estimulam a imaginação humana pareciam um tanto ou quanto extrínsecas à sua inabalável fidelidade a um cânone de regras tradicionais." 

Philip Roth

terça-feira, 6 de setembro de 2011

The character has no longer a home.

Tiago C. Bôto
"Porque nós não sabemos, pois não? Toda a gente sabe. O que faz as coisas acontecerem da maneira que acontecem? O que está subjacente à anarquia da sequência doa acontecimentos, às incertezas, às contrariedades, à desunião, às irregularidades chocantes que definem os assuntos humanos? Ninguém sabe, professora Roux. "Toda a gente sabe" é a invocação do lugar-comum e o início da banalização da experiência, e o que se torna tão insuportável é a solenidade e a noção de autoridade que as pessoas sentem quando exprimem o lugar-comum. O que nós sabemos é que, de um modo que não tem nada de lugar-comum, ninguém sabe coisa nenhuma.  Não podemos saber nada. mesmo as coisas que sabemos, não as sabemos. Intenção? Motivo? Consequência? Significado? É espantosa a quantidade de coisas que não sabemos. E o mais espantoso ainda é o que passa por saber."

Philip Roth - A Mancha Humana


quarta-feira, 27 de julho de 2011

Don ´t read this text

Don´t read this text. Don´t read this text. This is not a text to read. Read this text of something out of nothing. Don ´t read this text. Read this text and in the end you didn ´t read nothing. This text is not to read. Don´t read this text.

Tiago Bôto

domingo, 10 de julho de 2011

READ THIS WORD

READ THIS WORD THEN READ THIS WORD READ THIS WORD NEXT READ THIS WORD NOW SEE ONE WORD SEE ONE WORD NEXT SEE ONE WORD NOW AND THEN SEE ONE WORD AGAIN LOOK AT THREE WORDS HERE LOOK AT THREE WORDS NOW LOOK AT THREE WORDS NOW TOO TAKE IN FIVE WORDS AGAIN TAKE IN FIVE WORDS SO TAKE IN FIVE WORDS DO IT NOW SEE THESE WORDS AT A GLANCE SEE THESE WORDS AT THIS GLANCE AT THIS GLANCE HOLD THIS LINE IN VIEW HOLD THIS LINE IN ANOTHER VIEW AND IN A THIRD VIEW SPOT SEVEN LINES AT ONCE THEN TWICE THEN THRICE THEN A FOURTH TIME A FIFTH A SIXTH A SEVENTH AN EIGHTH

Vito Acconci

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O Amante Do Vulcão

"As colecções unem. As colecções isolam.
Unem aqueles que amam a mesma coisa.(Mas ninguém ama a mesma coisa como eu; bastante.) Isolam daqueles que não partilham a paixão. (Infelizmente, quase todos.)
E então procuro não falar do que mais me interessa. Falo do que te interessa.
Mas isso recordar-me-á, frequentemente, aquilo que não posso partilhar contigo."
Oh, ouve. Não vês. Não vês como é belo.

Susan Sontag - (O Amante Do Vulcão)

domingo, 26 de junho de 2011

O Amante do Vulcão

"A prudente distância, é o espectáculo supremo, tão instrutivo quanto emocionante."

Susan Sontag em O Amante do Vulcão.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

terça-feira, 14 de junho de 2011

Contra o fanatismo.

(...)"- Quem ama não atraiçoa.

Mais à frente no romance, o leitor pode descobrir que a mãe estava completamente enganada. Só quem ama se pode converter num traidor. A traição não é o reverso do amor: é uma das suas opções. Traidor, julgo, é quem muda aos olhos daqueles que não podem mudar e não mudarão, daqueles que detestam mudar e não podem conceber a mudança, apesar de quererem sempre mudar os outros. Por outras palavras, traidor, aos olhos do fanático, é qualquer um que muda. E é difícil a escolha entre converter-se num fanático ou converter-se num traidor. Não converter-se num fanático significa ser, até certo ponto e de alguma forma, um traidor aos olhos do fanático. Eu fiz a minha escolha e esse romance é disso a prova fiável."(...)

Amo Oz - Contra o Fanatismo.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O não.



Texto: Excertos de "Pioravante Marche" de Samuel Beckett
Voz texto: Tiago Bôto
Voz canto: Tiago Bôto
Guitarra Eléctrica: Rodrigo Bôto
Fotografia: Daniel Pinheiro

sábado, 28 de maio de 2011

RIP














GILL SCOTT-HERON.

A perna esquerda de Paris

"(..) Se um vegetal não permanecesse agarrado ao solo assustaria; uma flor que se movimenta não é romântica, mas animalesca.

O homem é uma coisa que se ausentou das árvores. O homem é um fruto que caiu e não voltou.
Não há antropologia num jardim.
É um fruto que caiu e andou, encontrou a literatura e a matemática.
Mas as árvores não são homens obsoletos; nem os animais.
O sol não é uma máquina obsoleta. Não é uma tecnologia ultrapassada. As máquinas sim, a última máquina está desactualizada em relação ao sol.
O sol nunca deixa de ser contemporâneo; é uma coisa alta que insiste. E a máquina é uma coisa baixa.
O sol é mais lento que a máquina. Ser mais lento por vezes significa chegar mais tarde, outras vezes significa durar mais.
A eternidade é sempre uma coisa que chega mais tarde, que ainda está a caminho."

Gonçalo M. Tavares

quinta-feira, 12 de maio de 2011

YOU...
WELL I THINK...
I´M...
I´M GOING...
(SAD SMILE)
PLEASE.
LET ME...
STAY.
WELL
YOU...
I THINK...
YOU KNOW...
I´M GOING.
(LONG MELANCHOLIC SMILE)
THIS...
I
YOU...
YOU KNOW
I´M...
OH...
(LONG STATIC PAUSE IN THE EYE)

domingo, 24 de abril de 2011

Pleasure

"Pleasure describes the broad class of mental states that humans and other animals experience as positive, enjoyable, or worth seeking. It includes more specific mental states such as happiness, entertainment, enjoyment, ecstasy, and euphoria. In psychology, the pleasure principle describes pleasure as a positive feedback mechanism, motivating the organism to recreate in the future the situation which it has just found pleasurable. According to this theory, organisms are similarly motivated to avoid situations that have caused pain in the past.

The experience of pleasure is subjective and different individuals will experience different kinds and amounts of happiness in the same situation. Many pleasurable experiences are associated with satisfying basic biological drives, such as eating, exercise or sex. Other pleasurable experiences are associated with social experiences and social drives, such as the experiences of accomplishment, recognition, and service. The appreciation of cultural artifacts and activities such as art, music, and literature is often pleasurable.

In recent years, significant progress has been made in understanding the brain mechanisms underlying pleasure. One of the key discoveries was made by Kent C. Berridge who has shown that pleasure is not a unitary experience. Rather, pleasure consists of multiple brain processes including liking, wanting and learning subserved by distinct yet partially overlapping brain networks. In particular, this research has been helped by the use of objective pleasure-elicited reactions in humans and other animals such as the behavioral ‘liking’/‘disliking’ facial expressions to tastes that are homologous between humans and many other mammals.

Recreational drug use can be pleasurable: some drugs, illicit and otherwise, directly create euphoria in the human brain when ingested. The mind's natural tendency to seek out more of this feeling (as described by the pleasure principle) can lead to dependence and addiction. Berridge and Robinson have proposed that addiction results from drugs hijacking the ‘wanting’ system through a sensitization of the mesolimbic dopamine system."

Wikipedia.

Trisha Brown

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Gilles Deleuze

Primeira parte

"É muito difícil "explicarmo-nos" - uma entrevista, um diálogo, uma conversa. A maior parte das vezes, quando me é colocada uma questão, mesmo que seja pertinente, apercebo-me que não tenho rigorosamente nada a dizer. As questões fabricam-se, como qualquer outra coisa. Se não nos deixam fabricar as nossas questões, com elementos vindos de toda a parte, não importa de onde, se apenas no são "colocadas", não temos grande coisa a dizer. A arte de construir um problema é muito importante: inventa-se um problema, uma posição do problema, antes de se encontrar uma solução. Nada disto é feito numa entrevista, numa conversa, numa discussão. Até a reflexão, a sós, a dois, ou entre várias pessoas, não basta. Sobretudo para a reflexão. Com as objecções, ainda é pior. Cada vez que me fazem uma objecção, tenho vontade de dizer: "De acordo, de acordo, passemos a outra coisa." As objecções nunca foram fecundas. Passa-se a mesma coisa quando me é colocada uma questão geral. A finalidade não é dar respostas a questões, mas antes, sair delas. Muita gente pensa que é apenas repetindo as questões que se pode sair delas. "Que se passa com a filosofia? Está morta? Vai ser ultrapassada?" É muito penoso. Não paramos de regressar à questão para tentarmos sair dela. Mas nunca se pode sair desse modo. O movimento faz-se sempre nas costas do pensador, ou no momento em que ele pestaneja. Sair, é algo que já está feito, ou então que nunca faremos. As questões estão normalmente numa relação de tensão com um futuro (ou com um passado)." (...)

Gilles Deleuze Diálogos.

sexta-feira, 15 de abril de 2011
























Phoebe


PRESSENTIMENTO DO FIM. TENHO DE ARRUMAR AS MINHAS IDEIAS. NÃO QUERO MORRER.TODA A GENTE TEM MEDO.

Rainer Werner Fassbinder (Sangue no pescoço do gato)

segunda-feira, 28 de março de 2011

"There are certain tremendous moments in life when a creature comes out of his corner and looks around, and it´s frightening"

Katherine Mansfield

terça-feira, 22 de março de 2011

Dragan Klaic

Introduction to the discussion on A Commitment to Pluralism

Dragan Klaic
Director of the Dutch Theatre Institute, Netherlands

It is easy to say that you understand the need for pluralism. What is important however is what you do with your opinion. Instead of using the word 'pluralism', then, I would rather talk about 'interculturalism', since this word implies an active strategy for increasing dialogue. Interculturalism has had a place in art for a long time. One can speak of a dialogue between artists with differing backgrounds and between artists and the public. But we will not only talk about art here. It is also a question of culture. During recent years in Europe culture has become infected by malaise and scepticism. This was why I was so pleased to hear, during the discussion on the new media, that in future culture would once more be accorded an important place. That it would become the driving force behind the economy.

Let England Shake



P.J Harvey

quarta-feira, 16 de março de 2011

domingo, 13 de março de 2011

Ontem eu vi...
















Ontem eu vi as pessoas...
ontem eu vi o real...
ontem eu vi a luta contra a dilatação e desfragmentação do pensamento...
ontem eu vi uma união por um grito comum e que mais que comum trazia consigo a revolta das individualidades...
ontem eu vi os seres humanos apelarem por uma politica de Humanos para Humanos...
ontem eu vi seres a quererem ser...
ontem eu vi ideias, energia...
ontem eu vi a luta contra a frustração...
ontem eu vi indivíduos a quererem ser indivíduos, que estão fartos de ser massa...
ontem eu vi a massa a lutar pelos indivíduos...
ontem eu vi uma enchente...
ontem eu não vi números...
ontem eu vi muitos...
ontem eu vi a não estagnação...
ontem eu vi força...
ontem eu vi os cacos a serem reunidos...
ontem eu vi infinitas possibilidades...
ontem eu vi a vida fora dos textos formatados dos manuais escolares...
ontem eu vi as necessidades...
ontem eu vi a vida fora de um catálogo do IKEA...
ontem eu vi integridade...
ontem eu vi o apelo...
ontem eu vi os braços erguidos...
ontem eu vi não um sonho, mas uma realidade à procura de um sonho...
ontem eu vi capacidades...
ontem eu vi Portugueses, cidadãos, à procura, capazes...
ontem eu vi cansaço, mas força...
ontem eu vi os olhos e os corpos fora da televisão...
ontem eu vi a luta por dizer: EU SOU! EU EXISTO!
ontem eu vi o que ainda não tinha visto...
ontem eu vi mentes...
ontem eu vi uma posição...
ontem eu vi coragem para decidir...
ontem eu vi Seres Humanos...
ontem eu vi avós, pais, mães, filhos, tios, tias, primos, amigos...
ontem eu vi...

terça-feira, 8 de março de 2011

Ariane Mnouchkine


"the director has already achieved the greatest degree of power he has ever had in history. And our aim is to move beyond that situation by creating a form of theatre where it will be possible for everyone to collaborate without there being directors, technicians, and so on, in the old sense."

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

"Si je meurs laissez le balcon ouvert"
















Como preencher o espaço vazio da morte? Uma homenagem. Corpos que pairam. Corpos perfeitos. Um corpo que se chateia com os outros quando não são perfeitos. Um corpo que não é perfeito. Um corpo que homenageia. A lentidão. A precisão. Desfragmentação. A sensação da demora do tempo. A densidade da atmosfera. A criação. A frustração na criação. Pertencer ao mundo. Deixá-lo. O momento de entrega. Ter ou não o que é preciso. A dilatação do movimento que não foi virtuoso. Os que mudam os que deixam marcas, os que deixam janelas abertas no espaço vazio da sua morte. Os que marcam para sempre. O espaço. O tempo para a mudança. A mudança na morte.