quarta-feira, 10 de março de 2010

DESCONHECIA ADORO!!!!



Trailer for 'The Forgotten Circus' directed by Shelly Love,performed by Circus Space and Gerard Bell (Full Film 23 mins). Music by The Irrepressibles

PIORAVANTE MARCHE

"TUDO DESDE SEMPRE. NUNCA OUTRA COISA. NUNCA TER TENTADO. NUNCA TER FALHADO. NÃO IMPORTA. TENTAR OUTRA VEZ. FALHAR OUTRA VEZ. FALHAR MELHOR."
"ALL OF OLD. NOTHING ELSE EVER. EVER TRIED. EVER FAILED. NO MATTER. TRY AGAIN. FAIL AGAIN. FAIL BETTER."

SAMUEL BECKETT WORSTWARD HO/PIORAVANTE MARCHE

terça-feira, 9 de março de 2010

LORD ANTHONY


Anthony, bullied at school

Get your own back now you are cool

Or are you scared bunking off though you're a toff?

It's all gone wrong again, you've got Double Maths.


But the teacher's got no control

The boys all run riot

"You will stay quiet or you will die."


Tony, at the back of the gym

Smoke another one, your chances are slim,

'Cause here they come again

And they got you on the ground.

Tasting blood again;

At least it's your own.


When will you realize it doesn't pay

To be smarter than teachers, smarter than most boys?

"So shut your mouth, start kicking the football."

Bang on the teeth. You are off for a week, boy.


You may as well take it in the guts, it can't get worse.

Just take it in the guts, it can't get worse than this.


'Cause you'll soon be old enough to leave them

Without a notion of a care

You'll leave two fingers in the air

To linger there.


Tony, you're a bit of a mess;

Melted Toblerone under your dress.

If the kids could see you they would pass you right by.

Blue mascara running over your eye.


When will you realize it doesn't pay

To be smarter than teachers, smarter than most boys?

"Shut your mouth, start kicking the football"

Bang on the teeth. You were off for a week, boy.


(Anthony. it could be worse)

(Anthony, it could be worse)


They call you Lord Anthony but hey, it could be worse.

Lord Anthony but hey, it could be worse.

Lord Anthony but hey, it kind of suits you anyway...


You'll soon be old enough to leave them

Without a notion of a care

You'll leave two fingers in the air

To linger there.


BELLE AND SEBASTIAN*LORD ANTHONY

segunda-feira, 8 de março de 2010

A Hora do Deslumbramento

"Hominização é o fenómeno histórico pelo qual os nossos antepassados primatas se transformaram progressivamente em Homo Spiens. A inteligência, na qualidade de estratégia de sobrevivência (no sentido darwiniano do termo), teve um papel essencial nessa passagem.
Para salvar o Homem de si mesmo, a inteligência deve agora transcender o papel anterior e proceder à humanização de nossa espécie.
Ante a ampliação do problema e a urgência da situação, temos de reconhecer que estamos muito desarmados. Entre as piedosas generalidades e as palavras de ordem inaplicáveis, que dizer?
Brincar aos moralizadores não está, em boa verdade, na minha natureza. No entanto, segundo a bela expressão de René Dubos, importa pensar globalmente e agir localmente.
As sínteses não são suficientes, é vão querer «mudar a sociedade» por acções retumbantes de natureza politica. A nossa esfera de influência é restrita, mas não é nula. Só os gestos à escala pessoal têm, na minha opinião, alguma possibilidade de contribuir eficazmente para o projecto."

Hubert Reeves

O Paradigma Perdido

"Desde a nascença, todo o indivíduo começa a receber a herança cultural, que assegura a sua formação, a sua orientação, o seu desenvolvimento de ser social. A herança cultural não vem unicamente sobrepor-se à hereditariedade genética. Combina-se com esta. Determina estimulações e inibições que contribuem para cada ontogénese individual e modulam a expresão genética no fenótipo humano. Desta maneira, cada cultura, por meio dos seus «imprintings» precoses, dos seus tabus, dos seus imperativos, do seu sistema de educação, do seu regime alimentar, dos talentos que requer para as suas práticas, dos seus modelos de comportamento no ecossistema, na sociedade, entre indivíduos, etc, reprime, inibe, favorece, sobredetermina, a actualização de tal ou tal aptidão, de tal traço psocológico-afectivo, exerce as suas pressões multifromes sobre o conjunto do funcionamento cerebral, exerce até efeitos endócrinos próprios, e, deste modo, intervém para coorganizar e controlar o conjunto da personalidade. (...)
De facto, a combinação entre a hereditariedade genética e a hrança cultural opera-se de forma simultaneamente complementar, concorrente e antagónica, e tende por isso mesmo a criar uma nova complexidade individual, introduzindo em cada individuo uma dualidade mais ou menos bem integrada entre a sua personalidade social - a sua «personagem» - e a sua pessoa subjectiva, mas ao mesmo tempo o «modelo» cultural, o tipo ideal de personalidade, tende a reduzir a variedade individual, e sobretudo os efeitos sociais dessa variedade, e, nesse sentido, inibe as possibilidades de complexificação."
Edgar Morin

Cosmos

"Comemos bagas e raízes. Nozes e folhas. E animais mortos. Uns animais apanhamo-los, outros matamo-los. Sabemos quais os elementos que são bons e quais os que são perigosos. Se provamos certas coisas, caímos redondos. É o castigo por as comermos. Não foi por mal que as comemos. Mas a dedaleira e a cicuta são mortais. Amamos os nossos filhos e os nossos amigos. E aconselhamo-los a não comerem tais coisas.
Quando caçamos animais, também podemos morrer. Eles podem escornear-nos, ou esmagar-nos, ou comer-nos. O que os animais fazem significa para nós a vida ou a morte: a forma como se comportam, as pegadas que deixam, as épocas de acasalamento e de parto, as épocas de migração. Temos de saber essas coisas. E dizemo-las aos nossos filhos. Que por sua vez as dirão aos filhos deles.
Dependemos dos animais. Seguimo-los especialmente no inverno, quando há poucas plantas para comer. Somos caçadores e ceifeiros nómadas. Consideramo-nos um povo caçador. (...) Nós caçamos e comemos os animais. Eles caçam-nos e comem-nos. Fazemos parte uns dos outros. (...)
Se comermos tudo muito depressa, alguns de nós passarão fome mais tarde." (...)

Carl Sagan