sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Ana XXII


"Stepane Arcadievitch entrou no gabinete do cunhado com o rosto solene com que pressidia às sessões do seu conselho." (...)

....................................................................................................................

" - Sim... Desejava... queria falar-te - respondeu Stepane Arcadievitch, surpreendido de se sentir cada vez mais intimidado." (...)

....................................................................................................................

(...) "Stepane Arcadievitch contemplou com espanto os olhos baços do cunhado fitos em si, recebeu o papel e leu.
"Vejo que a minha presença é peso para si; por mais penoso que me seja reconhecê-lo reconheco-o e sinto que não podia ser doutra maneira. Não lhe faço qualuqer censura. Deus é testemunha de que durante a sua doença resolvi firmemente esquecer o passado e começar uma nova vida. Não me arrependo, nunca me arrependerei do que fiz então. Mas era a sua salvação, a salvação da sua alma que eu desejava, e vejo que não consegui. Diga-me o que lhe restituirá a tranquilidade e a felicidade. Submeto-me de antemão ao sentimento de justiça que guiará a sua escolha"" (...)

.................................................................................................................

(...)" - Creio que não o sabe. Ela não é juiz na questão - (...) - Está esmagada, literalmente esmagada pela sua grandeza de alma. Se ler a tua carta, será incapaz de responder-lhe e só poderá curvar ainda mais a cabeça." (...)

.................................................................................................................
(...) - Pode-se conceber a felicidade de maneiras diferentes... Admitamos que eu consinto em tudo: como sairemos disto?
- Queres a minha opinião? - Disse Stepane Arcadievitch, com o mesmo sorriso que tivera para a irmã, e este sorriso era tão persuasivo que Karenine, cedendo à fraqueza que o invadia, se sentiu disposto a acreditar no cunhado. - Nunca ela dirá o que deseja, mas só uma coisa pode desejar: quebrar os laços que lhe lembram cruéis recordações. No meu entender é indispensável tornar as vossas relações mais claras, o que só se pode fazer desde que retomeis mútuamente a vossa liberdade.
- O divórcio! - interrompeu com repugnância Alexia Alenxandrovich.
- Sim, creio que o divórcio... sim, é isso, o divórcio -" (...)

.................................................................................................................

(...) Alexis Alenxandrovich quis responder, mas as lágrimas impediram-no.(...)

Leo Tolstoi Ana Karenina

Nenhum comentário: