quarta-feira, 8 de abril de 2009

GUSTAVIA





GUSTAVIA DE LA RIBOT E MATHILDE MONNIER: O Teatro, a dança, performance, o actor, o bailarino, o cinema, Keaton, Chaplin, Laurel, a música, os quadros vivos, a improvisação, os acidentes, o absurdo, o teatro, o futuro do teatro, o que será a arte, o que é o novo actor/dancarino/interprete, o mundo ao revês, o cómico, o burlesco, grotesco, sarcástico, irónico, cómico, a mulher, o que é a mulher, que papel é a mulher, a mulher que não é mulher e não é homem, apenas é, sem ser nada para além disso mesmo, ser alguma coisa irónica, sarcástica, verdadeira, sensível, acidentada, inteligentemente acidentada, persistente, caótica, amiga, competitiva, viva... Adorei este espectáculo!
Terceira cena, no fim:
Maria e Mathilde (excertos)
Uma mulher encolhe os ombros
Uma mulher abre a boca
Uma mulher passa a mão direita por baixo da omoplata,
faz deslizar um dedo ao longo da coluna vertebral e inclina-se para a frente
Uma mulher olha para as axilas que incham
Uma mulher tenta esconder os olhos com as pestanas
Uma mulher sonha... que é uma mulher,
uma mulher não sonha... nunca!
Uma mulher imagina
Uma mulher imagina uma mulher!
Uma mulher ganha
Uma mulher queimada
Uma mulher tem um sapo na boca
Uma mulher pensa
Uma mulher é morta pelo noivo
Uma mulher em casa. Quem é a mulher em casa?
Uma mulher limpa o chão.
Uma mulher tem um cavalo no ventre
Uma mulher dá um peido
Uma mulher é violada pelo pai na cave
Uma mulher acha-se tão bonita que não
precisa de cirurgia estética
Uma mulher Royale perde as eleições
Uma mulher é casada à força com um velho
Uma mulher feminista
Uma mulher vê o mundo na televisão
Uma mulher guarda o coração numa
gaveta
Uma mulher pega no carro, ah! não há
gasolina
Uma mulher em crise
Uma mulher tem pestanas tão compridas
que varre o chão, está completamente obcecada com´
a limpeza da casa
Uma mulher cheira mal
Uma mulher nojenta
Uma mulher ideal
Uma mulher pendura-se no tecto
Uma mulher em casa que lhe cai em cima da cabeça. E ela
sobrevive, toda ela... Todos os filhos lhe morreram!
Uma mulher angustia-se
Uma mulher abre as nágedas
Uma mulher apática esquece-se de
adorar o marido
Uma mulher sai pelo aleroz da casa!
Uma mulher tem os dentes verdes
Uma mulher faz uma operação aos
lábios
Uma mulher que ri demais, pensam que
ela é masculina
Uma mulher diz: sou um palhaço sexual
Uma mulher descobre que o marido está em
Guantánamo
Ahahahahahahah! Que engraçado, diz outra
mulher
Nunca mais o voltas a ver!
Uma mulher cómica
Uma mulher sofre
Uma mulher tem fome
Uma mulher luta
Uma mulher de negócios
Uma mulher vive como um carneiro sem
voz
Uma mulher segue as outras mulheres
Uma mulher vai ao teatro
Uma mulher artista, feminista, moderna à moda antiga!
Uma mulher diz "dormir, nada mais"!
Uma mulher puxa pelo externo para
cantar melhor
Uma mulher abre os olhos!
Uma mulher no teatro aborrece-se!
Uma mulher suspira no escuro
Uma mulher aplaude com os joelhos...
bravo!
Uma mulher tem medo do escuro
Uma mulher nunca voltará
Uma mulher entra em cena
Uma mulher entra em cena vai-se toda a
gente embora
Uma mulher encontra palavras no bolso
Uma mulher à força de apertar as mãos e
dizer bom dia tem as mãos húmidas
Uma mulher política... e social
Uma mulher sem palavra
Uma mulher com o seu discurso, fala
Uma mulher sem discurso
Uma mulher conta muitas histórias
Uma mulher tem uma amiga que é
intelectual
Uma mulher procura um texto
Uma mulher encontra um texto
num caixote do lixo, é de Tony Blair
Uma mulher politica procura qualquer
coisa para dizer
Uma mulher tira um machado da vagina
Uma mulher está sempre a trabalhar
Uma mulher trabalha 40 horas por semana
Uma mulher trabalha 54 horas por
semana
Uma mulher trabalha 88 horas por
semana
Uma mulher vê morrer o filho de fome
Uma mulher fechada
Uma mulher sincera na política, isso
existe!
Um mulherem fraternidade
Uma mulher procura uma palavra para
fazer um discurso, toda a gente ri
Uma mulher igualitária
Uma mulher política tem as unhas vermelhas...
para que reparem nela
Uma mulher cheia de acção e de sonho
Uma mulher em liberdade
Uma mulher espanhola e republicana
Uma mulher poética, uma mulher
agarra-se à cortina, cai
Uma mulher põe os filhos no congelador!
Uma mulher quer ganhar a discussão
Uma mulher ganha todas as batalhas
Uma mulher em guerra
Uma mulher-catástrofe!
Uma mulher tomba numa tumba
Uma mulher tem rosas de cemitério nas
mãos, ali ali
Uma mulher negra!
(excertos de um dos textos)

Um comentário:

Daniel Pinheiro disse...

Uma mulher vive como um carneiro sem
voz... adoro esta frase!eheheh